quinta-feira, 25 de junho de 2015

A prisão de Lula


Em 1980, quando ainda era líder sindical, Luis Inácio Lula da Silva ficou 31 dias na cadeia. Eram outros tempos, marcados por tensões políticas, sindicais e, para ele, também pessoais. O motivo da prisão era político: como sindicalista, com capacidade de movimentar as massas nas célebres greves que se estenderam pelo perído de decadência econômica do regime militar, Lula teve que acompanhar o andamento da paralisação das indústrias no ABC pelo rádio de pilha. Saiu da cadeia por um dia, para ir ao enterro da mãe, concessão feita pelo ex-chefão da Polícia Federal, Romeu Tuma. Dividia sua cela, 10 metros quadrados nas dependências do Dops paulista, com outros nove sindicalistas. Foi contra a ideia dos colegas de cela de começar uma greve de fome. Pressionava o dirigente sindical José Maria de Almeida, que mais tarde entraria para a corrente Convergência Socialista, uma das mais radicais abrigadas no PT, para que lhe desse escondido um saquinho de balas – no final, a greve de fome durou só um dia e meio e Lula ficou com a fama de comilão.

Hoje, 35 anos depois, o UOL dá notícia de que um cidadão brasileiro entrou com um pedido de habeas corpus para evitar o que parece inevitável: a prisão do agora ex-presidente da República. E a causa não é trabalhista, nem política. Diferente do tempo do regime militar, o Brasil não é mais um regime de exceção, e sim uma Nação sob o estado de Direito. E uma democracia, que levou Lula ao posto máximo da administração pública com a missão de governar o país inteiro, porém imbuído da necessidade de melhorar a vida da classe de despossuídos que ele sempre representou. De ser diferente das antigas elites predatórias que ele sempre combateu. E agora todos os dedos apontam para Lula como o orquestrador da vasta rede simbiótica do PT com empresários, muitos dos quais já frequentadores da cadeia, para roubar dinheiro público.

Para Lula, a cadeia não seria novidade. Mas, se o motivo de sua primeira prisão hoje soa nobre e heroico, o da segunda é vexatório. Foi-lhe entregue um voto máximo de confiança: esperava-se que o ex-pau de arara governasse exemplarmente para diminuir a injustiça social e se comportasse de forma digna, à altura da investidura que lhe foi conferida. A revelação da corrupção recorde, que derrubou ao chão uma estatal do porte da Petrobras e se espalhou por todo o organismo do governo federal, é um desapontamento histórico do mesmo tamanho que tivemos com Fernando Collor, primeiro presidente eleito democraticamente depois do regime militar, que renunciou na esteira das denúncias de corrupção.

Se a elite política brasileira nunca se mostrou confiável, por sempre se colocar na posição de tirar proveito dos cargos públicos em benefício próprio, uma prática que não se resume ao governo federal nem ao PT, esperava-se que ao menos com Lula tivesse sido diferente; ele e o PT, que foi construído sobre um discurso purista em anos a fio de oposição à ditadura e aos corruptores de toda espécie. Ao subir a rampa do Palácio, porém, Lula se tornou tão de elite quanto qualquer outro. Ou pior: comportou-se como o pobre que passa fome e, quando come, se lambuza. Do sindicalista preso, sobrou apenas o comilão.

A Justiça tem reunido elementos para esclarecer e desmontar todas as operações danosas realizadas durante a gestão do PT no governo federal. Na verdade, já nem importa se Lula será indiciado ou não, será preso, ou não. O dano está feito e o desencanto já aconteceu; o pasmo, também. Não resta dignidade para quem se encontra entre duas situações possíveis: a ignorância absurda, a omissão inaceitável em relação ao que se passava à sua volta, ou a orquestração direta de tudo. Lula é a pá de cal na esperança do povo brasileiro de encontrar um governante honesto. Para fechar sua incrível biografia, mergulha no lixo da história com um salto ornamental. Para o Brasil, o que resta? A polícia, hoje a única garantia de que haverá um mínimo de ética na política.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Nem os portugueses sabem


Para minha satisfação, a editora Planeta, que publica A Conquista do Brasil no mercado brasieliro, adquiriu os direitos também para a venda do livro em Portugal, onde deve ser lançado até o final do ano. Uma pesquisa recém divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo mostra o motivo de tanto interesse pelo livro, disputado ferozmente com outra editora de prestígio. Segundo levantamento solicitado pela Folha, a pergunta mais feita pelos portugueses no Google é: "quem descobriu o Brasil?" E a segunda é: "quem colonizou o Brasil?" Isso vem na frente de "como conseguir um emprego no Brasil". Uma pergunta que os portugueses também se fazem há centenas de anos.

O começo do Brasil é ainda tão pouco conhecido dos brasileiros quanto dos portugueses. Os primórdios do descobrimento foram sempre pouco pesquisados e valorizados como raiz da nossa história. Para se ter uma ideia, o best seller "Brasil: uma biografia", lançado este ano pela Cia das Letras, dedica apenas 14 das suas mais de 500 páginas aos descobridores e primeiros colonizadores do país. Mais centrado em explicações esquemáticas da economia brasileira, o livro destaca em primeiro lugar a criação da indústria açucareira, como se o Brasil tivesse realmente começado ali.

Como se pode ver em A Conquista do Brasil, a ocupação da costa brasileira começou bem antes, foi muito mais aventuresca, sangrenta, rica e complexa. A indústria açucareira é posterior e apenas uma peça da formação do Brasil e da sociedade brasileira. O começo, assim como a primeira infância na formação, temperamento e personalidade de todo indivíduo, é mais importante do que nos acostumamos a pensar. Um conhecimento mais profundo desse período, como revela A Conquista do Brasil, é decisivo para a compreensão do país de hoje e da sociedade brasileira.

O Brasil não foi descoberto pelos portugueses. E a história da colonização envolve guerra e a participação da Inquisição contra os "hereges", assim compreendidos tanto os "hereges canibais" quanto os "hereges protestantes" do Rio de Janeiro. Além da participação de figuras hoje legendárias, que o livro recupera, mostrando como eram verdade, a começar por João Ramalho, Manoel da Nóbrega, José de Anchieta e líderes indígenas dos quais se sabia pouco até aqui, como Aimberê e Cunhambebe. A indústria açucareira veio depois e por acaso - como mostra o livro, foi iniciada, bizarramente quase sem querer, graças a uma história de amor.

A  história não é feita apenas de movimentos de lógica econômica, e sim da ação de indivíduos movidos por paixão, ambição, ou simples obra do acaso. A história é construída pelo homem, que nem sempre obedece a trilhos da razão. Explicar o Brasil é entender o brasileiro, desde a sua infância, o seu DNA. Por isso acredito que A Conquista do Brasil permanece leitura essencial - para portugueses e brasileiros.


http://www1.folha.uol.com.br/asmais/2015/06/1641394-quem-descobriu-o-brasil-perguntam-portugueses-em-site-de-busca.shtml

quinta-feira, 11 de junho de 2015

O Brasil tem jeito?

Estive no Rio, no último dia 8, promovendo o lançamento de A Conquista do Brasil, na Livraria Cultura do Cine Vitória, na Cinelândia. Dessa vez, participei de uma conversa com uma ativa plateia sobre o livro, as origens do Brasil, da sua política e do comportamento político, com a gentil participação da jornalista Cristina Serra, do Fantástico, da TV Globo.

Eu e Cristina nos conhecemos há muito tempo, desde a faculdade, e nos encontramos esporadicamente ao longo da carreira. Ela acumulou longa experiência na convivência com os políticos e a política, em seus 17 anos cobrindo Brasília pelo Jornal Nacional. Fora da tela, sempre foi uma mulher afiada, de ideias formadas e muito empenhada em contribuir para o progresso do país, especialmente na área social.

No debate, Cristina nos deu seu retrato da política, de quem conviveu e convive com ela de perto. Em Brasília, os políticos tendem a defender os interesses que os elegem, que não são necessariamente do eleitorado, e sim dos apoiadores financeiros que sustentam suas campanhas. Na prática, existem menos os partidos, que têm pouca importância, e mais grupos de interesse - como a bancada ruralista, a bancada evangélica e assim por diante.

Como autor de um livro que mostra desde o início da construção deste país como são feitas suas práticas, eu permaneço na pergunta que me levou a escrevê-lo: será que não conseguimos nos livrar da má política, especialmente da corrupção, por questões congênitas? Será possível mudar um país campeão de corrupção sem muitos anos de educação e depuração de uma sociedade que se acostumou a ver seu país como um rico território aberto para o saque, e que só respeita a lei quando está em Miami ou Paris, para onde leva o dinheiro do butim?

Cristina acredita firmemente que a questão pode ser resolvida com um melhor controle dos financiamentos de campanha, que estão na baila na atual reforma política. É preciso que os partidos tenham meios de se sustentar com seus filiados, e não com umas poucas empresas contribuintes, que assim compram seu lobby em Brasília.

Concordamos em muitas coisas. Uma delas é que o Brasil ainda está no começo e nossa geração, em tempos dos quais ambos participamos ativamente como profissionais de imprensa, fez o país avançar muito - da velha e emperrada ditadura militar a um país mais jovem, onde prevalece o Estado de  Direito, num regime democrático, com uma economia muito mais estável e que empreende um esforço considerável no sentido de diminuir as diferenças sociais.

É verdade que recentemente paramos nesse caminho - e a onda de corrupção faz parecer que tivemos um terrível retrocesso. Porém, gente como Cristina, com seu sorriso sempre confiante e sua certeza patriótica, me fazem manter as esperanças. O Brasil ainda não será um país de estrangeiros que nasceram aqui, e sim de gente que pensa não apenas no próprio bolso, como também no bem coletivo, no progresso deste lugar do qual dependemos, todos. É preciso coragem. E não desanimar.


terça-feira, 2 de junho de 2015

A importância do Rio de Janeiro em A Conquista do Brasil


No próximo dia 8 de junho, segunda-feira, faremos o lançamento de A Conquista do Brasil na Livraria Cultura do Cine Vitória, no Centro do Rio. Uma data especial, não só pela presença da jornalista da TV Globo Cristina Serra, com quem vou promover um bate papo sobre a política e os políticos de hoje e suas raízes na origem do país, como pela importância do Rio de Janeiro no livro - e na história do país.

Pouca gente sabe por que o Rio foi capital brasileira e é uma cidade tão importante na nossa cultura e história. O Rio virou capital por obra do Marquês de Pombal, que considerava sua fundação o verdadeiro marco da colonização do país. Em A Conquista do Brasil, se entende a razão. Até a fundação do forte no morro Cara de Cão por Estácio de Sá, a costa brasileira ainda tinha zonas onde os portugueses não entravam - especialmente o entorno da baía da Guanabara, onde a resistência à colonização se concentrava.

A fundação do forte de São Sebastião foi o princípio do extermínio dos índios tupinambás, que se entrincheiravam em grandes aldeias, transformadas em verdadeiras fortalezas, como aprenderam a fazer com os franceses protestantes. O combate aos índios, que uniu três forças - galeões de guerra vindos de Portugal, a armada do governador Mem de Sá e os mercenários paulistas - foi engendrado e promovido pelos jesuítas, que desejavam erradicar de uma vez os "hereges" do Brasil - tanto os índios, "selvagens canibais", quanto os franceses protestantes.

O resultado disso foi um massacre que não poupou mulheres, velhos e crianças. Estácio de Sá morreu após agonizar por um mês, consequência de uma flechada no olho. Tinha 22 anos. A costa brasileira foi finalmente integrada sob o domínio português. As terras da Guanabara foram distribuídas entre portugueses, paulistas e os próprios jesuítas, que se transformaram nos maiores latifundiários do Novo Mundo.   O Rio de Janeiro foi trasladado do forte, que  mais servia a propósitos militares, para o mais aprazível Catete.

 A conquista do Rio é um dos episódios mais importantes da história brasileira e enriquece nosso entendimento do que é o Brasil. O célebre historiador e brasilianista Kenneth Maxwell escreveu na revista Época que essa é uma passagem "absolutamente fascinante" de A Conquista do Brasil. Tenho que concordar com ele.

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Meus postcards de Nova York

Em 2006, quando morávamos em Nova York, alugamos nosso apartamento em Battery Park City para uma amiga, Luisa Mendes, que passou na cidade o Natal com o marido e o filho. Inquilinos muito especiais, que além de passear pela cidade entraram de certa forma na nossa vida, com as coisas deixadas ali.

Naquele tempo, eu havia pintado alguns quadros, para decorar o lugar: não consigo viver em uma casa sem quadros, ou com quadros comprados, que na maioria das vezes me dão a impressão de estar num hotel. Luisa, sensível e simpática, me deixou de lembrança  um jogo de canetas para colorir. Lembrei disso agora com a moda de comprar livros para colorir, tão terapêutica - e desencavei os desenhos que fiz em Nova York graças à gentileza da boa amiga e que me fizeram tão bem.

São imagens aleatórias, aquilo que dá mais prazer ao desenhar: deixar correr o rabisco solto para ver o que acontece. Saíram então: eu mesmo desenhando na cama, debaixo de um pilmone com capa de rosas vermelhas, comprado então por Graziela a peso de ouro numa loja do Soho sob um retrato em preto e branco de Marylin Monroe, que ela dizia ser o seu "luxo"; a vista da janela do quarto, no lugar onde eu trabalhava, que dava no fim da rua para o rio Hudson e a Estátua da Liberdade;uma mulher brava; o boulevard do Battery Park, perto de casa.

Uma caravela e um menino redondo que saíram ao acaso;  o porco esturricado e Lampião retratei porque na época eram personagens do romance que escrevia então, Amor e Tempestade; meu filho ainda no ultrassom, que era preto e branco, mas imaginei colorido; algumas cenas do campo, homenagem a Van Gogh, que achei que teria gostado muito daquelas canetinhas. Um pouco do universo de um escritor brasileiro exilado em Nova York não faz tanto tempo assim.



















A Conquista do Brasil: entrevista na CBN

http://cbn.globoradio.globo.com/programas/revista-cbn/2015/05/31/A-CONQUISTA-DO-BRASIL-AJUDA-A-ENTENDER-A-ESSENCIA-DO-PAIS.htm